Estudo comparativo da interação solo-atmosfera na Evaporação de solos não saturados em duas regiões da França

Nome: Larissa Camporez Araújo
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 17/06/2014
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Kátia Vanessa Bicalho Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Adelmo Inacio Bertolde Examinador Interno
Antonio Manoel Ferreira Frasson Examinador Externo
Bruno Teixeira Dantas Coorientador
Kátia Vanessa Bicalho Orientador
Waldyr Lopes de Oliveira Filho Examinador Externo

Resumo: "Neste trabalho avalia-se de forma comparativa a influência da interação solo-atmosfera na evaporação de um subsolo não saturado em duas regiões da França, com condições climáticas distintas. Os valores de evaporação potencial (EP) foram calculados considerando sete métodos empíricos baseados apenas em dados climáticos locais: Thornthwaite (1948), Blaney e Criddle (1959), Linacre (1977), Kharrufa (1985), Romanenko (1961), Turc (1961) e Hargreaves e Samani (1982, 1985). Um modelo numérico de interação solo-atmosfera é utilizado para calcular a taxa de evaporação a partir do solo, e a equação de fluxo de massa (água líquida Lei de Darcy e vapor Lei de Fick) em conjunto com a equação de fluxo de calor (de Vries, 1987) são adotadas para determinar os perfis de temperatura, umidade e sucção do solo. Para as simulações numéricas é adotado um programa computacional unidimensional que utiliza o Método das Diferenças Finitas para resolver simultaneamente as equações parciais de fluxo de massa (água líquida e vapor) e calor. As análises realizadas utilizam dados climáticos coletados nas duas regiões francesas em estudo: Mormoiron e Hericourt. Os valores de umidade volumétrica e temperatura do solo calculados pelo programa numérico foram comparados com as medições de campo obtidas em um aterro experimental construído em Hericourt. As simulações numéricas mostram, principalmente, que: o albedo é o parâmetro com maior influência nos perfis de umidade, temperatura e sucção e na evaporação nos meses mais quentes e uma grande sensibilidade nos resultados é observada quando são utilizados valores médios mensais e não valores diários para os dados climáticos. No estudo das equações empíricas utilizadas para estimativa de EP observou-se que os valores máximos e mínimos de EP variam com o método, o período e a região considerados. Os valores de evaporação obtidos pelas equações empíricas foram comparados com os resultados das simulações numéricas, e os parâmetros das equações empíricas foram ajustados para as regiões estudadas baseado nas simulações numéricas. Os ajustes obtidos para os parâmetros das equações variaram com o método utilizado e a região de estudo.

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910