MODELAGEM E SIMULAÇÃO DA MALHA FERROVIÁRIA EM CIRCUITO FECHADO DA ESTRADA DE FERRO VITÓRIA A MINAS

Nome: Reinaldo Pimentel Loyola Meireles
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 17/12/2010
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Marta Monteiro da Costa Cruz Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Marco Antonio Farah Caldas Examinador Externo
Marta Monteiro da Costa Cruz Orientador
Rodrigo de Alvarenga Rosa Examinador Interno
Ubiratan de Souza Passos Coorientador

Resumo: Esta dissertação busca preencher a falta de ferramenta que responda de
forma confiável e precisa as várias questões que surgem no dia a dia
da área de Planejamento da cadeia logística do minério de ferro do
Sistema Sudeste da Vale. Hoje, estas áreas utilizam com mais
freqüência a modelagem analítica ou matemática, e para os projetos
mais críticos a abordagem local por simulação, isto é, só é modelado o
novo projeto, sem avaliar o impacto sobre o restante da cadeia
(abordagem global). A modelagem analítica ou matemática é inadequada
para estes sistemas complexos, sendo a modelagem por simulação a
melhor alternativa. Desta forma as áreas de Planejamento terão maior
suporte para medirem os efeitos da adição de novos projetos, e poderão
indicar com maior confiança as soluções necessárias para responder as
várias questões do aumento de capacidade e também para atender as
várias questões táticas que aparecem na operação no curto e médio
prazo. Portanto a proposta desta dissertação é desenvolver um modelo
de simulação que represente a cadeia logística do minério de ferro no
Sistema Sudeste, abrangendo os processos de carregamento do minério de
ferro, o transporte ferroviário pela Estrada de Ferro Vitória a Minas
e a descarga para o Mercado Externo ou Interno. Após a descarga os
vagões vazios retornam para um novo carregamento de minério ou para o
transporte de carvão mineral (carga de retorno). O transporte de
minério de ferro representa 80 % do volume transportado por esta
ferrovia, na carga geral as principais cargas são o carvão, grãos,
produtos siderúrgicos, insumos para a siderurgia e outros. Modelos de
simulação para circulação em circuito fechado estão sujeitas a
diversas interferências. Estas interferências são representadas pela
circulação de outros trens, pelas filas que são formadas na
circulação, pelas manutenções preventivas e corretivas no material
rodante (vagões e locomotivas), na via permanente ou nos equipamentos
de carregamento e descarga, que alteram a programação inicialmente
elaborada. Da mesma forma os trens de passageiros e de carga geral
sofrem as mesmas interferências, sendo que adicionalmente existe a
questão da prioridade, sendo o trem de passageiros o mais prioritário
na malha, seguido do minério e da carga geral. Os trens de minério
transportam lotes de 84 vagões, e estes são modelados em circuito
fechado, isto é, os lotes irão sair de uma origem, circular até o
ponto de carregamento, carregar, circular entre o ponto de
carregamento e de descarga, e retornar para o ponto de carregamento,
em um processo cíclico e continuo. Outra característica dos trens de
minério são os direcionamentos dos lotes de vagões vazios para os
pontos de carregamento, buscando o cumprimento do programas diários, a
minimização das filas e a maximização da ocupação nos pontos de
carregamento e de descarga. Os trens de carga geral e de passageiros
entram no modelo a partir de determinado horário programado, circulam,
fazendo as suas atividades programadas durante o trajeto e encerrando
em seu destino final. A importância da modelagem destes trens são os
impactos que geram no circuito dos trens que transportam o minério de
ferro.

Palavras-chaves: Transporte ferroviário, Planejamento de transporte,
Modelo de simulação em circuito fechado, Circuito Heavy-Haul

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910