comportamento à Compressão de Estacas Hélice Contínua Instrumentadas em Solos Sedimentares.

Nome: Carla Therezinha Dalvi Borjaille Alledi
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 16/07/2004
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Uberescilas Fernades Polido Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
João Luiz Calmon Nogueira da Gama Examinador Interno
Márcia Aiko Shirakawa Examinador Externo
Márcia Aiko Shirakawa Examinador Externo
Uberescilas Fernades Polido Orientador

Resumo: Este resumo apresenta o comportamento de duas estacas hélice contínuas monitoradas por meio da realização de provas de carga à compressão. As estacas foram executadas em uma área experimental, situada na região litorânea da cidade de Vitória-ES, Brasil. O subsolo local é formado por solos sedimentares constituídos por camadas de areias entremeadas por camadas de argila mole, de espessura, pertencentes ao período Quaternário. Na área experimental, foram realizados, antes e após execução das estacas, vários ensaios de campo, compreendendo sondagens de simples reconhecimento com media de troque (SPT-T), ensaio de penetração estática (CPT) e ensaios dilatométricos (DMT). Foram executadas oito estacas hélice contínua para realização de prova da carga, sendo duas estacas teste (0,4m de diâmetro, com comprimento de 8,0m e 12,0m) e seis estacas de reação (0,5m de diâmetro e 10,0m de comprimento). Com objetivo de determinar a transferência de carga da estaca para o terreno ao longo da profundidade, as estacas foram instrumentadas ao longo do fuste, com quatro níveis de extensômetros elétricos de resistência (strain-gages). As barras instrumentadas foram instaladas em tubos galvanizados que foram inseridos nas estacas testes durante sua execução, antes da concretagem, pela haste central do trado hélice. A determinação experimental da capacidade de carga da estacas hélice contínua monitoradas foi obtida pela realização de quatro provas de carga à compressão. Duas provas de carga foram com carregamento lento e duas com carregamento rápido. São apresentados e analisados todos os resultados obtidos com as instrumentações instaladas no topo e ao longo do fuste das estacas, com determinação das parcelas de capacidade de carga por atrito lateral e de ponta, deslocamento necessários para mobilização do atrito lateral e resistência de ponta. Foi verificado que as estacas hélice contínua, desta pesquisa, absorveram a maior parte da carga aplicada no topo por atrito lateral. Após realização das provas de carga, foi extraída, aproximadamente, metade do comprimento total de cada estaca teste. Com a extração das estacas, foi possível verificar a integridade do seu fuste, comparar os valores reais de diâmetro com valores nominais e detectar intrusões de argila marinha no fuste dessas estacas. O volume real de concreto injetado nas estacas, calculado com medidas de comprimento e diâmetro das estacas extraídas, foi comparado com volume de concreto injetado obtido com sistema de monitoramento. O trabalho apresenta também uma comparação dos resultados experimentais obtidos nas provas de carga lenta com as previsões de capacidade de carga dos principais métodos estáticos propostos na literatura.

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910