comportamento à Compressão de Estacas Hélice Contínua Instrumentadas em Solos Sedimentares.

Nome: Carla Therezinha Dalvi Borjaille Alledi
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 16/07/2004
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Uberescilas Fernades Polido Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
João Luiz Calmon Nogueira da Gama Examinador Interno
Márcia Aiko Shirakawa Examinador Externo
Márcia Aiko Shirakawa Examinador Externo
Uberescilas Fernades Polido Orientador

Resumo: Este resumo apresenta o comportamento de duas estacas hélice contínuas monitoradas por meio da realização de provas de carga à compressão. As estacas foram executadas em uma área experimental, situada na região litorânea da cidade de Vitória-ES, Brasil. O subsolo local é formado por solos sedimentares constituídos por camadas de areias entremeadas por camadas de argila mole, de espessura, pertencentes ao período Quaternário. Na área experimental, foram realizados, antes e após execução das estacas, vários ensaios de campo, compreendendo sondagens de simples reconhecimento com media de troque (SPT-T), ensaio de penetração estática (CPT) e ensaios dilatométricos (DMT). Foram executadas oito estacas hélice contínua para realização de prova da carga, sendo duas estacas teste (0,4m de diâmetro, com comprimento de 8,0m e 12,0m) e seis estacas de reação (0,5m de diâmetro e 10,0m de comprimento). Com objetivo de determinar a transferência de carga da estaca para o terreno ao longo da profundidade, as estacas foram instrumentadas ao longo do fuste, com quatro níveis de extensômetros elétricos de resistência (strain-gages). As barras instrumentadas foram instaladas em tubos galvanizados que foram inseridos nas estacas testes durante sua execução, antes da concretagem, pela haste central do trado hélice. A determinação experimental da capacidade de carga da estacas hélice contínua monitoradas foi obtida pela realização de quatro provas de carga à compressão. Duas provas de carga foram com carregamento lento e duas com carregamento rápido. São apresentados e analisados todos os resultados obtidos com as instrumentações instaladas no topo e ao longo do fuste das estacas, com determinação das parcelas de capacidade de carga por atrito lateral e de ponta, deslocamento necessários para mobilização do atrito lateral e resistência de ponta. Foi verificado que as estacas hélice contínua, desta pesquisa, absorveram a maior parte da carga aplicada no topo por atrito lateral. Após realização das provas de carga, foi extraída, aproximadamente, metade do comprimento total de cada estaca teste. Com a extração das estacas, foi possível verificar a integridade do seu fuste, comparar os valores reais de diâmetro com valores nominais e detectar intrusões de argila marinha no fuste dessas estacas. O volume real de concreto injetado nas estacas, calculado com medidas de comprimento e diâmetro das estacas extraídas, foi comparado com volume de concreto injetado obtido com sistema de monitoramento. O trabalho apresenta também uma comparação dos resultados experimentais obtidos nas provas de carga lenta com as previsões de capacidade de carga dos principais métodos estáticos propostos na literatura.

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910