Influência da Tinta das Fachadas para o Microclima Urbano

Nome: Ingrid Scaramussa Colombi Guidi
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 07/08/2020
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Cristina Engel de Alvarez Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Cristina Engel de Alvarez Orientador
Edna Aparecida Nico Rodrigues Examinador Externo
Geilma Lima Vieira Examinador Interno

Resumo: Com o passar dos anos as cidades sofreram alterações em suas estruturas devido ao aumento da população urbana e suas necessidades, influenciando diretamente no ambiente. Consequentemente, essas interferências acarretaram um maior acúmulo de calor, uma vez que os elementos naturais foram substituídos por diversos materiais artificiais, tais como as pavimentações e revestimentos aplicados na envoltória das edificações. Dessa forma, torna-se necessário o estudo do desempenho térmico destes materiais para possibilitar uma mitigação das temperaturas tanto do meio ambiente urbano quanto no interior das edificações. O principal objetivo foi analisar comparativamente a influência da tinta acrílica convencional e a tinta acrílica com película emborrachada utilizadas nas fachadas das edificações, considerando como recorte territorial a cidade de Vitória (ES) em relação ao efeito no microclima urbano. A metodologia adotada dividiu-se em três partes principais. Primeiramente foi realizada a caracterização do sítio utilizado para realização das medições térmicas. A partir da escolha do local foram definidas as características do protótipo, sendo elas a sua composição, acabamento e, por fim a escolha do revestimento final. A avaliação das temperaturas superficiais referentes a cada fachada, cor e tipologia foi realizada por meio de análise comparativa entre os dados. Os resultados demonstraram que nos horários de maior incidência solar a tinta “B” apresenta um melhor desempenho térmico, pois ela apresenta um aquecimento inferior ao da tinta “A”, embora nos intervalos de menor insolação a tinta “A” demonstre melhores resultados. Verificou-se também que a tinta “A” demanda menos tempo para aquecer, quando comparada com a tinta “B”, uma vez que a segunda possui uma película emborrachada, enquanto no quesito resfriamento, a tinta “A” perde calor mais rápido, ao passo que a tinta “B” resfria mais lentamente, retornando calor ao meio ambiente, reduzindo, assim, a formação de ilhas de calor.

Acesso ao documento

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910