Determinação de Propriedades Reológicas de Rejeito de Mineração Por Meio de Reômetro Rotacional

Nome: Neemias Almeida Dias
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 30/06/2017
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Patrício José Moreira Pires Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Aloysio Portugal Maia Saliba Examinador Externo
Edson Jose Soares Coorientador
Jamilla Emi Sudo Lutif Teixeira Examinador Interno
Karla Maria Wingler Rebelo Examinador Externo
Patrício José Moreira Pires Orientador

Resumo: As atividades de mineração no Brasil se iniciaram desde muito tempo, em épocas que remontam cerca de 300 anos atrás. Ainda hoje o país ocupa posição de destaque no setor, sendo o minério de ferro o carro chefe da atividade mineradora com produção bruta de 391 milhões de toneladas em 2016. Desse total, cerca de 65% representam o minério realmente contido no que é extraído. Portanto, o beneficiamento do minério de ferro resulta em alto volume de rejeitos que precisam ser dispostos. Apesar de existirem diversos métodos para depósitos de rejeitos, como o empilhamento a seco, as barragens ainda são as mais utilizadas. Para facilitar o transporte, são transportados hidraulicamente e lançados nos reservatórios. A água contida deve ser adequadamente drenada para evitar excesso de poropressão no maciço e, consequentemente, causar instabilidades. Conhecer as propriedades reológicas desses materiais é primordial para os estudos de estabilidade e propagação de onda de ruptura e projetos dos sistemas de bombeamento. No presente trabalho diversos experimentos foram conduzidos em um reômetro de tensão controlada (stress controlled) utilizando a geometria vane. O material estudado foi proveniente do rejeito após a ruptura da barragem de Fundão, em 2015, e coletado em pontos distintos para analisar a variação das propriedades geotécnicas e reológicas. Diferentes testes reológicos foram empregados: incrementos contínuos de taxa e tensão, fluência e ensaios oscilatórios.

Palavras-chave: Barragens de rejeitos. Rejeito de Minério de Ferro. Tensão Limite de Escoamento. Materiais viscoelastoplásticos.

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910