MODELAGEM COMPUTACIONAL PARA PREDIÇÃO DO PERÍODO DE INICIAÇÃO DA CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO

Nome: Wagner Klippel Dominicini
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 30/06/2016
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
João Luiz Calmon Nogueira da Gama Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Georgia Serafim Araújo Examinador Externo
Gibson Rocha Meira Examinador Externo
João Luiz Calmon Nogueira da Gama Orientador
Marcel Olivier Ferreira de Oliveira Examinador Interno

Resumo: As estruturas de concreto se degradam por vários mecanismos, tendo sua vida útil reduzida caso não sejam adotadas medidas de manutenção corretivas e preventivas. O estudo da vida útil de estruturas é de extrema importância, uma vez que gera conhecimento sobre os fenômenos envolvidos, concilia o tempo de vida e o desenvolvimento sustentável, causa grande impacto nas etapas de projeto e manutenção e colabora com o desenvolvimento de tecnologias em prol da durabilidade. Um dos mais frequentes fenômenos de degradação das estruturas de concreto armado e que geram custos mais elevados de reparo é a corrosão das armaduras, particularmente a induzida pela ação de cloretos. Assim, este trabalho apresenta um modelo de penetração de cloretos por difusão em estruturas de concreto armado baseado na solução da equação diferencial da 2ª Lei de Fick, utilizando o método dos elementos finitos (MEF) no domínio bidimensional. Este modelo prevê o tempo necessário, em determinada situação, para que um determinado limite de cloretos para a despassivação da armadura seja atingido. Utilizam-se diversas abordagens para a concentração superficial de cloretos e para a estimativa do coeficiente de difusão, parâmetro que deve ser corrigido devido a efeitos da temperatura, do tempo de exposição e da umidade relativa, de modo a estimar a vida útil da peça estudada. Além do mais, é realizada extensa análise paramétrica, visando o estudo dos fatores intervenientes e seus impactos na penetração de cloretos por difusão, de modo a contribuir para uma maior compreensão dos fenômenos envolvidos. Ademais, o modelo desenvolvido é aplicado à cidade de Vitória (ES), utilizando os parâmetros climáticos locais.

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910