ESTUDO das Características de Compressibilidade Unidimensional e Plasticidade de Misturas de Argila e Areia

Nome: Camila Loss dos Santos Cunha
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 20/12/2012

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Adelmo Inacio Bertolde Examinador Interno
Bruno Teixeira Dantas Examinador Interno
Kátia Vanessa Bicalho Orientador
Patrício José Moreira Pires Examinador Interno
Waldyr Lopes de Oliveira Filho Examinador Externo

Resumo: A maior parte das teorias em engenharia geotécnica foram propostas e são aplicáveis a argilas puras e areias limpas e não tratam de problemas envolvendo misturas de solos. Porém, devido a variabilidade dos solos encontrados na natureza, verifica-se a necessidade de um maior conhecimento das propriedades geotécnicas de misturas de argila e areia. Este trabalho reuniu pesquisas publicadas sobre o comportamento geotécnico de misturas de argila e areia para avaliar através de resultados experimentais as normalizações propostas por Castello e Polido (1994). Essas equações permitem quantificar a influência de frações arenosas na plasticidade e compressibilidade unidimensional de misturas de argila e areia com diferentes frações relativas a massa total seca da mistura. E, foram propostas para argilas pouco arenosas, onde a compressão ocorre exclusivamente na matriz argilosa, de forma praticamente uniforme e sem concentração de tensões. Os resultados dos ensaios de compressão unidimensional, em amostras moldadas em laboratório para diferentes misturas de argila e areia, avaliados neste trabalho, indicam uma relação linear entre os valores do índice de compressão primária e a fração de finos nas misturas de argila e areia com percentagens superiores a 20% de fração de finos. A mesma tendência foi observada na variação dos valores dos limites de Atterberg com a fração de finos em diferentes misturas de argila e areia, uma vez que estas propriedades índices estão correlacionadas com a compressibilidade dos solos finos. Neste caso é válida a identificação de argila pouco arenosa e a fração arenosa pode ser considerada inerte na mistura. Avaliam-se, também, neste trabalho, as correlações publicadas na literatura entre valores dos limites de Atterberg e os correspondentes valores de índice de compressão primária de diferentes solos argilosos.

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910